Marcelo Leite

Ciência em Dia

 

Miscelânea

Termina a Expedição Deserto de Cristal

 
 

Termina a Expedição Deserto de Cristal

 

O príncipe Albert, de Mônaco (esq.), conversa na Antártida com Jefferson C. Simões
Foto: Nupac/UFRGS

Jefferson Cardia Simões, líder da Expedição Deserto de Cristal - primeira missão científica brasileira ao interior da Antártida-, informa por e-mail que o grupo de oito pesquisadores já se encontra em Punta Arenas (extremo sul do Chile)  desde as 11h30 de ontem (13/jan).

Foram ao todo 43 dias de permanência no continente austral, enfrentando temperaturas que em certos momentos alcançaram a sensação térmica abaixo dos 30°C. Mas o grupo não retorna de imediato ao Brasil. Antes é preciso separar e desembaraçar as mais de duas toneladas de carga que seguem para ao menos três destinos diversos: Rio Grande do Sul, de onde partiu a maior parte do grupo, Rio de Janeiro e Maine (EUA).

No centro da expedição estava a coleta de testemunhos de gelo, colunas escavadas a até 95 m de profundidade (nesta missão). Sua análise consumirá os próximos dois anos, e dela se espera que ajude a entender o clima antártico e global nos últimos dois ou três séculos. Apenas uma parte fica no Brasil, onde será analisada na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). O grosso vai para os EUA, para processamento na Universidade do Maine.

Uma das últimas atividades do grupo nos montes Patriot, a 1.100 km do pólo Sul, onde montou acampamento durante todo o mês de dezembro e as duas primeiras semanas de janeiro, foi uma palestra para o prícipe Albert, de Mônaco. Quem deu a palestra foi Simões. "Falei sobre nossa missão, a Antártida e as mudanças globais. Ele estava bastante interessado", conta o glaciologista.

Leia mais sobre a Expedição Deserto de Cristal na página especial "No Coração da Antártida", da Folha Online.

Escrito por Marcelo Leite às 18h33

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Jogo de espera

Jogo de espera

 

 
 

Embarque no jato Ilyushin-76DT da empresa ALE, sexta-feira (Foto: Marcelo Leite)

Já perdi a conta de quantas vezes ouvimos dos funcionários da empresa Logística e Expedições Antárticas (ALE) a expressão "waiting game" (jogo de espera). A primeira coisa a pôr na bagagem, quando se pretende viajar para a Antártida, é paciência. Várias mudas de paciência. (...)

O clima até que está bom em Patriot. Há quatro dias faz sol, e a temperatura, apesar de negativa, não tem descido muito abaixo de -10C. Ninguém entende por que o jato não pousa.
 
Com o vento a 40 km/h, são outros 500. Ninguém fica muito tempo fora da barraca, agora que os trabalhos da Expedição Deserto de Cristal estão encerrados. Rochas e testemunhos de gelo coletados ao longo de um mês pela primeira expedição científica brasileira ao interior da Antártida estão todos encaixotados.

No confinamento das barracas, as opções não são muitas. Comer, beber, conversar -na barraca Weather Heaven da cozinha, apelidada pelos brasileiros de "jabuti", por seu formato. Ler, com algum esforço, em meio às pilhérias (que vêm diminuindo, quanto mais se alonga a espera). (...)

Todos se esforçam por dormir o máximo, e alguns conseguem fazê-lo por mais de 12 horas. Sonham com camas e colchões. Banhos e pães quentes. Vinhos chilenos. Cerveja gelada.

Quando este texto for publicado, pelo menos os enviados especiais da Folha (o repórter fotográfico Toni Pires e este colunista) já deverão estar em Punta Arenas. Quem sabe até no Brasil. Mas nada disso estava garantido, na tarde de quinta-feira, durante sua redação.

A última notícia da ALE havia sido dada na tarde do dia anterior. O gerente de operações em Patriot, Steve, viera ao módulo azul falar com Jefferson Cardia Simões, glaciologista gaúcho que chefia a expedição. Pela demora da conversação, já se sabia que seriam más novas.

Em resumo: a empresa está com vários atrasos acumulados e 97 passageiros retidos em Patriot. No Ilyushin cabem 60. A ALE só poderia dispor de dois lugares -para os jornalistas- no primeiro voo, previsto para a tarde de quinta-feira (o que não se verificou).

O restante da expedição teria de esperar o voo seguinte, que seria realizado 24 horas depois. Antes embarcariam passageiros mais atrasados que eles, como os repórteres, cujo retorno estava marcado para 29 de dezembro. Steve pediu paciência ao grupo. Não faltou nele quem achasse que o gerente estava pedindo demais.


Leia a íntegra da coluna Ciência em Dia na Folha de S.Paulo (aqui, só para assinantes).

Informo que Toni Pires e eu já nos encontramos em São Paulo. O avião da ALE acabou partindo de Patriot às 6h15 da manhã de sexta, dia 9, lotado. Nós dois, por exemplo, ficamos sem assentos normais e tivemos de encarar as 4h30 de vôo em banquinhos duros de metal, rodeados por tambores de combustível vazios.

O atraso de cinco dias em nossa partida da Antártida talvez se explique pela presença de um passageiro ilustre no vôo de ida até Patriot: o príncipe Alberto de Mônaco. A hipótese mais favorecida é que a ALE tenha adiado o vôo para satisfazer a agenda principesca.

Pior: o segundo vôo, programado para o dia seguinte, que deveria trazer de volta à América do Sul os oito integrantes da Expedição Deserto de Cristal, ainda não tinha ocorrido até a tarde de domingo, quando falei por satélite com Jefferson Cadia Simões, líder do grupo. Ele iria dar uma palestra para o príncipe dali a uma hora, mas acho que preferiria mesmo embarcar de volta, após mais de 40 dias no gelo.

Escrito por Marcelo Leite às 14h58

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Marcelo Leite Marcelo Leite é repórter especial da Folha e autor do livro "Promessas do Genoma".
RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.