Marcelo Leite

Ciência em Dia

 

Miscelânea

Será que o hobbit foi ao dentista?

Será que o hobbit foi ao dentista?

 

A arcada do hobbit de Flores...

... e o molar da discórdia
(Fotos: Reprodução/Peter Brown)

O caso da "nova espécie" de seres humanos descoberta na ilha de Flores, na Indonésia, fica cada vez mais complicado. Por ser muito pequeno o esqueleto datado de 18 mil anos, ele foi apelidado de "hobbit", embora o nome científico proposto pelos descobridores fosse Homo floresiensis.

Vários pesquisadores duvidam que seja uma nova espécie. Para eles, os restos apresentados em 2004 são de humanos modernos, mas raquíticos. Virou um bate-boca interminável, que agora chegou aos dentes - mais precisamente, a um molar que o paleopatologista Maciej Henneberg, da Universidade de Adelaide (Austrália), cismou ter sido obturado (ops, "restaurado", como preferem dizer hoje os dentistas). A denúncia aparece num livro que Henneberg está lançando e vem relatada numa reportagem de Elizabeth Culotta na newsletter ScienceNow.

Isso mesmo: Henneberg acha que o hobbit foi ao dentista. Ou seja, não poderia ter 18 mil anos. Seria uma fraude, portanto.

O descobridor do esqueleto e maior defensor do Homo floresiensis, Peter Brown, colega de Henneberg em Adelaide, subiu nas tamancas. Publicou uma resposta desqualificadora, que acusa Henneberg de ser "extremamente inexperiente" no assunto em que se meteu. Implicitamente, acusa-o de querer apenas promover conclusões apressadas de seu "livro popular".

É uma briga boa, mas por ora Brown parece levar vantagem. É o que diz John Hawks, da Universidade de Wisconsin em Madison (EUA).

Escrito por Marcelo Leite às 19h36

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Tatuagens científicas

Tatuagens científicas

 

Trilobita tatuado no braço da estudante de ecologia Lea
(Foto: reprodução do blog
http://carlzimmer.typepad.com/sciencetattoo)

Há muitas razões para ler o fantástico blog The Loom, de Carl Zimmer. A menos intelectual, mas nem por isso menos interessante, é admirar as imagens da esquisita página que ele mantém sobre tatuagens que pesquisadores mandam gravar em seus próprios corpos.

De certa maneira, pode-se dizer que eles não vestem a camisa da ciência, e sim tiram.

Escrito por Marcelo Leite às 20h08

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Marcelo Leite Marcelo Leite é repórter especial da Folha e autor do livro "Promessas do Genoma".
RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.