Obama reafirma ação contra mudança climática

Soube pelo G1 e pela Folha Online que o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, deu uma espécie de cala-boca público em quem duvidava que viesse a manter seu compromisso de fazer um giro de 180° na política americana sobre aquecimento global, agora que a crise financeira mundial começará a apertar seu calo.

Obama, em discurso transmitido por videoconferência a governadores americanos, reafirmou que vai adotar um sistema "cap-and-trade" para cortar emissões, ou seja, estabelecer um limite máximo de produção de CO2 e outros gases do efeito estufa, limite esse que será então traduzido em permissões para emitir que poderão ser comercializadas (créditos de carbono).

Com isso, espera retornar aos níveis de emissão de 1990 até 2020 e, mais, cortar outros 80% sobre esse valor até 2050 - mesma meta adotada pelo Reino Unido, uma das mais audaciosas no mundo. Obama também prometeu investir US$ 15 bilhões por ano em inovação para tecnologias limpas.

De todo modo, falar é fácil. Afinal, é o mesmo futuro presidente que quer presentear a jurássica indústria automobilística americana com bilhões de dólares para ela continuar despejando SUVs beberrões nas estradas. Ou será que Obama terá a esperteza de usar essa alavanca para arrancar de Detroit o salto tecnológico - talvez em direção a carros elétricos - que ela até agora se recusou a dar?

Veja acima o vídeo do discurso no YouTube, ou aqui.