Prepare-se para 'A Estrada" - do outro mundo

 


Viggo Mortensen (ao fundo) e Kodi Smit-McPhee (Foto: Macall Polay/Dimension Films)

Leio hoje no jornal The New York Times reportagem de Charles McGrath sobre as filmagens de A Estrada, baseado no livro homônimo de Cormac McCarthy (ganhador do Pulitzer de ficção de 2007). Se você já leu a novela, comentada neste blog em setembro do ano passado, sabe que o filme tem tudo para ser uma paulada na moleira.

Trata-se de um dos livros mais deprimentes, e ao mesmo tempo dos mais bonitos, que li no último ano (concorre nos dois quesitos com Desgraça, de Coetzee). Filho e pai vagam por uma paisagem gelada, coberta de cinzas, ao encontro do que parece ser a morte inevitável, num mundo que se extingue como as brasas de uma fogueira. George Monbiot, o desbocado colunista do diário britânico The Guardian, já disse que o livro fará mais pela disseminação da idéia de aquecimento global do que qualquer outro tipo de obra.

Bem, ele não deve ter pensado na versão de cinema para a obra de McCarthy (que aliás anda em alta na telona: depois de No Country for Old Men, vem aí também Blood Meridian). Como cada vez menos gente lê, se o filme sair realmente bom, como sugerem os elogios de McGrath ao desempenho do ator-menino australiano Kodi Smit-McPhee, o tema ganhará ainda mais impulso do que já havia sido dado pelo documentário bom-moço de Al Gore, Uma verdade inconveniente, e pelo fantasioso (mas bacana) O Dia depois de amanhã.

Em tempo: leio também no NY Times que a família Rockefeller, cuja fortuna tem origem na Standard Oil, está tentando tirar a companhia Exxon de seu curso "cético" diante da mudança climática global. Veja na reportagem de Clifford Krauss como e por que, no detalhe, pode estar em curso uma mudança de maré na pátria viciada em óleo de George W. Bush.