Que pandemia?

Bastaram três semanas para a pandemia de gripe suína - perdão, influenza A (H1N1) - chegar, aterrorizar e sumir. Ao menos das manchetes. Terá servido, porém, para ajudar a vender um livro interessante, "Vacinado", de Paul A. Offit (Ideia e Ação, 2008, 256 págs., R$ 39,90). (...)

O herói da história é Maurice Hilleman, por coincidência nascido em 1919, durante a maior e mais mortífera pandemia de gripe de todos os tempos. Matou, provavelmente, mais de 50 milhões de pessoas. (...)

[Em] abril de 1957, Hilleman lia o jornal "The New York Times" em sua sala (...) quando topou com uma reportagem sobre gripe aviária que grassava em Hong Kong. Dez por cento da população afetada, filas de 20 mil pessoas nas portas dos hospitais. "Meu Deus: é a pandemia, ela chegou!" -disse Hilleman a si mesmo, segundo Offit.

O pesquisador telegrafou para conhecidos no Japão pedindo informações. Acabou localizando um jovem da Marinha japonesa que passara por Hong Kong e adoecera. Um oficial médico fez com que o marujo gargarejasse com salmoura e enviou o produto para Hilleman. Apenas um mês depois de ler o artigo no jornal, recebia o preparado, e começou o trabalho de verificar se era um vírus com potencial pandêmico.

O processo era para lá de laborioso. (...) [M]ultiplicadas as partículas virais, passou a testá-las com o soro sanguíneo de soldados estocado no Walter Reed.

Não encontrou nenhum que tivesse anticorpos contra o vírus. Usou em seguida amostras de soro de civis. Nada. Certo de que era um agente ameaçador, contra o qual a maioria das pessoas não teria defesa, enviou amostras para a recém-criada Organização Mundial da Saúde, para distribuição aos laboratórios do mundo. Distribuiu uma nota à imprensa avisando da iminente pandemia, mas nenhum jornal se interessou (outros tempos).

Em questão de meses se confirmou que só tinham anticorpos contra o vírus umas poucas pessoas da Holanda e dos Estados Unidos. Eram sobreviventes da pandemia de 1889-1890, que vitimara 6 milhões.

Em junho, os primeiros lotes de vacina eram produzidos. Mesmo assim, a pandemia de 1957 matou 70 mil americanos e 4 milhões noutras partes do mundo.


Leia a íntegra da coluna Ciência em Dia na Folha de S.Paulo de domingo passado (aqui, só para assinantes).