Marcelo Leite

Ciência em Dia

 

PNAS fecha a segunda porta

 
 

PNAS fecha a segunda porta

Muita gente do mundo científico não sabe, as a prestigiada publicação da Academia Nacional de Ciências dos EUA, a PNAS, tinha uma espécie de "tapetão" para artigos apadrinhados: membros da NAS podiam "comunicar" artigos de amigos diretamente aos editores do periódico e facilitar assim o processo de revisão (peer review). Esta segunda porta recebia muitas críticas e agora vai ser fechada, segundo leio no blog ScienceInsider. A partir de julho de 2010, todos os artigos só entrarão pela porta tradicional, da submissão para revisão cega.

Escrito por Marcelo Leite às 10h52

Comentários () | Enviar por e-mail | Miscelânea | PermalinkPermalink #

Pães e ideias

 
 

Pães e ideias

(...) Diante da pobreza das ideias contemporâneas, melhor revisitar os velhos mestres. Um bom antídoto contra esse veneno chegou à praça na série da Editora Unesp batizada, sem trocadilho, de Coleção Pequenos Frascos. É "Escritos sobre Ciência e Religião", do britânico Thomas Henry Huxley (1825-1895).

Huxley ficou conhecido como "o buldogue de Darwin", pela defesa encarniçada da obra do autor de "Origem das Espécies", publicado há exatos 150 anos. Nesta coletânea brasileira reúnem-se três breves ensaios: "Sobre a Conveniência de se Aperfeiçoar o Conhecimento Natural" (1866), "O Natural e o Sobrenatural" (1892) e "Ciência e Cultura" (1880). (...)

Huxley aponta que a influência do sobrenatural na vida das pessoas está diminuindo (mal podia saber...), em favor do conhecimento objetivo da natureza. Sustenta que isso constitui um progresso espiritual. Como no caso da astronomia, que nasceu para calcular a sucessão das estações ou as rotas dos navios e terminou por povoar a mente dos homens com noções tão distantes da vida prática: "Ao buscar pão, colhem ideias".

Não se iluda com a fineza: Huxley está em campanha para extraditar a religião aos confins da vida privada. (...)

O melhor ensaio é o último, sobre ciência e cultura. Huxley apoia a proposta de um mecenas de criar uma escola exclusivamente voltada ao ensino de ciências, sem espaço para a cultura literária - base da educação clássica da época. O buldogue advoga que o conhecimento da natureza tem tanto ou mais potencial para elevar o espírito.

Huxley localiza a essência da cultura no que chama de crítica da vida. "Cultura (...) envolve a posse de um ideal e o hábito de estimar criticamente o valor das coisas tomando como base um padrão teórico", afirma.

Acima da crítica literária, ele defende a crítica científica da vida, que "convida o estudioso a procurar pela verdade não entre as palavras, mas entre as coisas". Ideia simples como o cão, com presas sob medida para os pedestres de hoje.


Leia a íntegra da coluna Ciência em Dia na Folha de S.Paulo (aqui, só para assinantes).

Escrito por Marcelo Leite às 18h25

Comentários () | Enviar por e-mail | Ciência e Sociedade | PermalinkPermalink #

Taiga vs. florestas tropicais

 
 

Taiga vs. florestas tropicais

Recebi de Niro Higuchi, um antigo interlocutor e mestre, as ponderações abaixo sobre a comparação entre florestas tropicais e boreais (taiga) que abordei em coluna recente e que suscitou alguma divergência nos comentários. Pelo que diz Higuchi, eu estive errado tanto na questão da área da taiga quanto na de carbono estocado (a taiga só tem mais que florestas tropicais se for computado o que está no solo). Agradeço a ele pelo esclarecimento.


A tabela 1 mostra os reservatórios de carbono de cada bioma (segundo IPCC). O maior reservatório de C na vegetação está nas florestas tropicais, igual a 212 bilhões de t C.  Somando boreal e tundra, temos na vegetação 94 bilhões de t C. Nos solos (excluindo raízes), a floresta boreal + tundra têm muito mais do que a floresta tropical. Em termos de área, boreal + tundra tem uma área maior do que a tropical. A estimativa de troca entre biosfera e atmosfera é de 60 bilhões por ano; destes, 32 bilhões são atribuídos para as florestas tropicais.  Esta estimativa é, praticamente, em cima da vegetação e não dos solos.  Por estas razões, a ênfase tem sempre o viés para as florestas tropicais. 

A tabela 1 foi retirada daqui.

Escrito por Marcelo Leite às 19h22

Comentários () | Enviar por e-mail | Ecologias | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Marcelo Leite Marcelo Leite é repórter especial da Folha e autor do livro "Promessas do Genoma".
RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.