Marcelo Leite

Ciência em Dia

 

STF cai no conto dos 46% em Roraima

STF cai no conto dos 46% em Roraima

 

Mapa/ISA (www.socioambiental.org.br)

Cifras e números, no Brasil, são citados com a mesma freqüência com que são abusados. Considere o caso da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, que o governo federal tenta tirar do papel há mais de duas décadas, em favor de uns 15 mil índios macuxis, ingaricós, taurepangues, patamonas e uapixanas e contra os interesses de uma dúzia de plantadores de arroz. Supostamente, a área ocuparia 46% do território roraimense - um manifesto absurdo, correto?

A cifra aparentemente foi citada na ação cautelar (AC/2009) do governador de Roraima, José de Anchieta Jr. (PSDB), pedindo a suspensão da Operação Upatakon 3 da Polícia Federal, que deveria desalojar os fazendeiros nos próximos dias. Terminou mencionada em notícia no site oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) dando conta da decisão unânime do plenário em favor do voto do relator Carlos Ayres Britto, que concede liminar suspendendo a retirada.

Quase a mesma informação consta de reportagens nos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S. Paulo, que falam de 43% (e não 46%) da área do Estado coberta pela Raposa Serra do Sol - provavelmente alguém confundiu um 3 com um 6, ao ouvir ou pronunciar a cifra. Errada, é bom dizer.

Qualquer pessoa com um mínimo de noção do problema em Roraima (que já tenha visto um mapa localizando a reserva, por exemplo), de bom senso ou até de espírito crítico desconfiaria da informação. A terra indígena Raposa Serra do Sol é grande, mas não tanto.

São 17.475 km² de reserva. O Estado todo tem 224.298,98 km², segundo o dado oficial. Faça as contas: dá 7,8%, não 46% (nem 43%). Esses 46% se referem à área total de 32 terras indígenas de Roraima, entre elas a Yanomami, com 96.650 km² (parte deles no Estado do Amazonas).

Não sei se houve má fé na confusão dos dados, mas sei a quem interessa a confusão. Não sei se teve peso na decisão do STF, mas sei que não tem cabimento o órgão máximo da Justiça difundi-lo como se fosse verdade.

Escrito por Marcelo Leite às 10h56

Comentários () | Enviar por e-mail | Ciência e Sociedade | PermalinkPermalink #

Macacos machos preferem brinquedos de meninos, diz estudo

Macacos machos preferem brinquedos de meninos, diz estudo

 

Macacos me mordam, já que se sou um antideterminista biológico militante: segundo leio em reportagem da revista de divulgação britânica New Scientist, filhotes machos de macacos resos têm clara preferência por brinquedos típicos de meninos humanos, como carrinhos. E macaquinhas, por coisas como bichos de pelúcia...

Em outras palavras, como não se pode atribuir a esses primatas o mesmo espectro de influências sociais que ensinam às crianças humanas quais são seus papéis de gênero, haveria algo de inato nessa preferência. Vale dizer, de "biológico". Alguma coisa nas disposições naturais desses bichos os predispõe para uma coisa ou outra - só falta descobrir o quê (a rigor, pelo menos o meu antideterminismo se queixa é da incapacidade dos deterministas de apontar o que seja esse quê).

A pesquisa foi realizada pela equipe de Kim Wallen, do Yerkes National Primate Research Center em Atlanta, Geórgia (EUA), na Universidade Emory. O artigo científico correspondente, "Sex differences in rhesus monkey toy preferences parallel those of children" (Diferenças sexuais nas preferências por brinquedos de macacos resus são paralelas às de crianças) foi publicado no periódico Hormones and Behavior.

"Eles não são sumetidos a publicidade. Não são submetidos ao encorajamento dos pais, não são submetidos à pressão dos pares", disse Wallen.

O grupo de pesquisa pôs apenas brinquedos de dois tipos de brinquedos à disposição da macacada (11 machos e 23 fêmeas), com rodas ou sem rodas, com dez metros de distância enrte eles. De início, todos rodeavam os dois tipos. Com o passar do tempo, os machos agarravam os que tinham rodas e saíam correndo. Típico. Ou então, pegavam os bichos de pelúcia para socar. Veja aqui um vídeo.

Escrito por Marcelo Leite às 20h07

Comentários () | Enviar por e-mail | Miscelânea | PermalinkPermalink #

Parkinson: novo argumento contra pesquisa com embriões

Parkinson: novo argumento contra pesquisa com embriões

 

Reprodução/PNAS
Imagem do artigo mostra células induzidas
integradas no cérebro de camundongo

 

O ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do Supremo Tribunal Federal (STF), vai adorar o novo estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) sobre células-tronco. Ao pedir vista, na sessão de 5 de março, Direito emperrou a decisão do STF que, tudo indica, manteria a legalidade da pesquisa com células-tronco embrionárias humanas (CTEHs). Seu prazo de 30 dias encerrou-se sexta-feira, mas Direito, como os outros ministros do STF, estão acima desses constrangimentos a que estão submetidos os comuns dos mortais.

Melhor para ele e para tantos quantos sustentam a ação direta de inconstitucionalidade (Adin nº 3.510) iniciada pelo então procurador-geral da República, Claudio Fonteles, contra a Lei de Biossegurança, por ela permitir a pesquisa com embriões inviáveis, ou então congelados em clínicas de reprodução há mais de três anos. "Tantos quantos", no caso, são aqueles católicos dedicados - como Direito e Fonteles - que não admitem a destruição do embrião para obter as CTEHs, que equiparam a "assassinato" (sua tática, já se vê, é atirar na pesquisa com embriões para fulminar o aborto).

Melhor porque o estudo que sai hoje no periódico da academia de ciências dos EUA (PNAS) lhes traz mais um argumento. Problemático, mas mais um. A equipe de Rudolph Jaenisch no MIT mostrou, em camundongos, que se pode fazer com células adultas coisa muito parecida com o que se pretende fazer com CTEHs contra o mal de Parkinson.

As células que Jaenisch e cia. usaram são as chamadas de iPS, abreviação anglo-saxã para "células-tronco pluripotentes induzidas" (em português se usaria talvez a sigla CTPi). É uma técnica que permite ativar quatro genes que tornam células adultas muito parecidas com células embrionárias, ou seja, entidades capazes de se transformar em células de vários tecidos do corpo. No caso, neurônios produtores de dopamina numa área do cérebro chamada de substantia nigra. É a falta do neurotransmissor dopamina nessa região que provoca os tremores e, no limite, a paralisia característica de Parkinson.

A idéia é que, sendo tão similares, as iPS possam ser usadas para repovoar o cérebro do paciente de Parkinson com neurônios dopaminérgicos zero-quilômetro, sem necessidade de produzir embriões clonados de células adultas do paciente para depois extrair deles as CTEHs para tratamento (a chamada clonagem terapêutica). Bastaria, em princípio, retirar células da pele do parkinsoniano, induzi-las à pluripotência e depois diferenciá-las (fazer com que se transformem) em neurônios novos em folha.

Obviamente, Jaenisch e equipe estão muito longe disso. Primeiro, porque só obtiveram uma prova de princípio: as iPS podem ser transformadas em neurônios e se integram no cérebro, diminuindo os sintomas de Parkinson. Mas apenas em camundongos, por ora. E eles mesmos alertam que o mecanismo de indução é arriscado, porque a reprogramação genética é feita com auxílio de vírus, contumazes causadores de encrencas. O grupo alerta no artigo que seria preciso criar um meio de conseguir a indução sem recorrer a transformação genética para obter uma terapia segura, aplicável em seres humanos - isso, claro, se o modelo usado com roedores puder ser reproduzido em nossa espécie, o que nem sempre ocorre.

Não há dúvida de que Direito, Fonteles e seu séquito católico lançarão mão desse argumento a mais, mas não é um argumento tão bom assim. As iPS podem eventualmente substituir CTEHs, certo, mas só depois de superarem "n" problemas técnicos, tanto ou mais que as CTEHs. Não deriva daí razão alguma para abandonar nenhuma das vertentes de pesquisa, se a questão for encarada do ponto de vista do benefício potencial - e remoto, é sempre bom repetir - para os pacientes. Mas os opositores da pesquisa com embriões estão preocupados mesmo com a doutrina católica, perdão, com a santidade, perdão, com a dignidade da vida dos embriões congelados.

Na realidade, o trabalho no PNAS é só um tijolo na muralha da China que a biomedicina procura erguer contra doenças degenerativas como Parkinson. Este projeto também é abalado, de tempos em tempos, por terremotos - como um outro estudo, de Jeffrey Kordower (Universidade Rush, de Chicago, EUA) e equipe de várias instituições, publicado eletronicamente ontem  do periódico Nature Medicine.

Kordower conta no estudo que uma paciente tratada com células fetais (e não embrionárias; trata-se de ums alternativa menos avançada e mais limitada), os sintomas de Parkinson voltaram 14 anos depois do transplante. Isso reforça uma corrente de especialistas na doença para os quais ela deriva de algum outro fator no corpo, capaz de degenerar também as células transplantadas, com o passar do tempo.

Ou seja, mesmo que a terapia celular (fetal ou embrionária, induzida ou obtida por clonagem) um dia deixe de ser experimental e se torne de uso corrente, ela estará apenas ganhando tempo para o parkinsoniano. É melhor que nada. Mas não é o milagre que muitos enxergam nas CTEHs, instigados pela propaganda não menos irresponsável que a de católicos dogmáticos, ainda que com sinal trocado.

Escrito por Marcelo Leite às 16h26

Comentários () | Enviar por e-mail | Biotecnologias | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Marcelo Leite Marcelo Leite é repórter especial da Folha e autor do livro "Promessas do Genoma".
RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.