Sementes da concórdia

Pausa na coleta de sementes de leiteiro perto da aldeia Moigu, dos icpengues
(Foto: Marcelo Leite)

(...) Só no dia seguinte seria possível acompanhar o trabalho das mulheres icpengues na coleta de sementes para a campanha Y Ikatu Xingu. O nome quer dizer "água boa e limpa do Xingu" em língua camaiurá, uma das 19 etnias presentes nos cerca de 500 mil km2 da bacia hidrográfica. As sementes recolhidas pelas mulheres serão vendidas para agricultores recuperarem matas ciliares -vegetação que protege os rios como cílios protegem os olhos- destruídas a centenas de quilômetros dali. Quando as florestas plantadas crescerem, talvez em duas décadas, ajudarão a proteger nascentes. Estas, por sua vez, manterão o Xingu fluindo, como sempre, a poucos metros das casas de troncos e palha de inajá da aldeia Moigu. (...)


Leia a reportagem completa sobre a campanha Y Ikatu Xingu no caderno Mais da Folha de S.Paulo (aqui, só para assinantes).


Amanhecer no rio Xingu, junto ao posto Pavuru no Parque Indígena do Xingu
(Foto: Marcelo Leite)